Além da tradição da representação e da virtualidade

  • Verônica Natividade Departamento de Arquitetura e Urbanismo - DAU | PUC-Rio
  • Rafael Magioli Departamento de Arquitetura e Urbanismo - DAU | PUC-Rio
  • Guilherme Rizzo Departamento de Arquitetura e Urbanismo - DAU | PUC-Rio
  • Henrique Delarue Departamento de Arquitetura e Urbanismo - DAU | PUC-Rio

Resumo

Desde o começo da arquitetura ocidental, fundada no classicismo grego, o arquiteto não fez edifícios, mas produziu representações do edifício que possibilitaram sua construção. Assim, a separação histórica entre o ato de pensar e o de construir arquitetura, batizada por Mario Carpo de paradigma Albertiano, estabeleceu as bases do que entendemos hoje como projeto – uma atividade informacional cujos processos passariam a ser definidos por uma gama específica de tecnologias culturais e de mídia disponíveis em cada momento histórico. Uma vez estabelecida a reciprocidade entre representação e construção, os desdobramentos desse paradigma se estendem para além das representações gráficas, intervindo também na maneira de conceituar e de produzir arquitetura. Com a virada digital a partir dos anos 1990 e mais intensamente na década de 2010, a fusão entre artefatos de representação – concepção – construção em modelos digitais impõe métodos inteiramente novos à disciplina e o Paradigma Albertiano começa a retroceder depois de cinco séculos de hegemonia. Esse artigo procura apresentar as linhas gerais de três aspectos dessa síntese digital contemporânea: o fim da compressão de dados dos desenhos bidimensionais em favor dos modelos de informação (data models); a ampliação da janela perspéctica para a visualização imersiva da realidade virtual; e, a construção just-in-time, direto dos computadores para os braços robóticos.

Publicado
Dec 27, 2018
Como Citar
NATIVIDADE, Verônica et al. Além da tradição da representação e da virtualidade. Revista Prumo, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 13, dec. 2018. ISSN 2446-7340. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/revistaprumo/article/view/863>. Acesso em: 23 oct. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.24168/revistaprumo.v3i5.863.