Continuando um projeto iniciado há um ano, temos a grande alegria de anunciar o terceiro número da Dignidade Re-Vista, periódico da Pastoral Universitária que visa publicar artigos relativos à temática Direitos Humanos. Neste número tratamos sobre questões socioambientais, assunto este que surge como um dos principais desafios para o ser humano do século XXI, não apenas na perspectiva de um futuro, mas no próprio presente que revela a destruição dos mais variados tipos de vida, seja ela vegetal, animal ou humana.

Os problemas socioambientais dialogam diretamente com aspectos substanciais da sociedade constituída no século XIX e consolidada no século XX. É possível elencar aqui o consumo, a produção em massa em detrimento dos diferentes ecossistemas e o advento técnico capaz de reproduzir fenômenos da natureza, o que gera, como consequência, relações de causa e efeito que escapam ao controle humano, tal como é possível identificar no que se refere ao aquecimento global. Estes três não podem ser vistos separadamente, já que a existência de um depende do outro: a produção em massa visa ao consumo e o aprimoramento técnico busca melhorar a produção. Ao analisá-los em conjuntos com os problemas socioambientais, somos conduzidos a perguntas importantes: “o que é bem viver?”; “o que é a felicidade?”; “existe algum fim para a existência humana?”. Ora, de algum modo queremos convidar os leitores a terem estas perguntas presentes ao tomarem contato com os artigos publicados neste número.

Importante ressaltar também que a discussão dos desafios socioambientais envolve os Direitos Humanos. Isso ocorre na medida em que o tratamento dado a tais questões perpassa as políticas públicas que podem ser adotadas para a superação de problemas que atingem a natureza e repercutem na diminuição de uma vida digna a que todo cidadão tem direito. Áreas urbanas com saneamento básico, por exemplo, não apenas protegem o solo e os rios que são fontes para o alimento de muitas comunidades, como também proporcionam uma melhor qualidade de vida para a própria cidade e seus respectivos bairros. Da mesma forma o nível de poluição do ar influencia na saúde ou na disposição que o indivíduo tem ao longo do dia.

Por fim, queremos lembrar aqui que a centralidade dos problemas socioambientais aparece na encíclica papal Laudato Si. O papa Francisco chama a atenção para o modo de vida que a sociedade atual adotou e de que forma ela repercute na natureza e, consequentemente, na existência da vida na própria terra. Neste sentido, cada indivíduo é dotado de um compromisso para com a preservação do planeta. Assim como o texto do papa, queremos despertar em cada leitor um senso de responsabilidade socioambiental, esperando deste modo contribuir para a formação de uma sociedade mais consciente e justa.

Publicado: 26-09-2017

Artigos