A parábola do pai misericordioso

uma releitura de Lc 15,11-32 à luz do contexto histórico-cultural da Palestina no tempo de Jesus

  • Tiago Cosmo da Silva Dias PUC-SP

Resumo

Este artigo visa analisar a parábola do pai misericordioso, de Lc 15,11-32, a partir, sobretudo, do contexto histórico-cultural da Palestina no tempo de Jesus, que enriquece sobremaneira os elementos contidos na redação do texto. Na verdade, o capítulo 15 de Lucas, que se situa na grande seção na qual o evangelista narra a subida de Jesus para Jerusalém, contém três parábolas que procuram mostrar o agir de Deus com relação ao pecador, ali simbolizados nas figuras do pastor, da mulher e do pai, que fazem o que está ao seu alcance para recuperar o que perderam. As narrações nascem, segundo o evangelista, porque os mestres da Lei e os fariseus acusam a Jesus de acolher os pecadores e fazer refeição com eles (Lc 15,1-2). A resposta do Senhor, aos que o acusavam, é clara: o pai respeita a liberdade do filho que deseja partir, mas quando o vê retornando, acolhe-o com amor e compaixão, afinal, “haverá no céu mais alegria por um pecador que se converta do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão” (Lc 15,7).

Publicado
Dec 28, 2020
Como Citar
DIAS, Tiago Cosmo da Silva. A parábola do pai misericordioso. Pesquisas em Teologia, [S.l.], v. 3, n. 6, p. 313-330, dec. 2020. ISSN 2595-9409. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/pesquisasemteologia/article/view/1417>. Acesso em: 23 jan. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.46859/PUCRio.Acad.PqTeo.2595-9409.2020v3n6p313.