“Ouve, meu povo, deixa-me falar” (Sl 50,7)

  • Tarlei Navarro PUC-SP

Resumo

Este artigo apresenta uma breve análise teológica sobre a violência e a paz e propõe refletir sobre o incentivo da violência tão propagado em nossos dias, tanto por educadores, empresários, religiosos como por políticos, militares e tantas outras lideranças de quem se esperava um estímulo pela paz, em favor da vida. Vale a pena observar a questão por diversos ângulos e perceber o quanto as Sagradas Escrituras promovem o amor, a paz e a vida e nos impulsionam no anúncio da boa notícia. Importante ressaltar que essa paz não é ausência de batalhas, conflitos, dificuldades, problemas, mas esta paz é a plenitude do Shalom de Deus em meio a tanta agressividade promovida pela cultura de morte. Não podemos nos render diante da forte pressão produzida por esta mentalidade que cresce assustadoramente, que relativiza a vida, que é dom precioso do amor de Deus, e que descarta o próximo em nome de interesses pessoais. A luta pela paz, além de ser um esforço determinante para as relações humanas, para nós cristãos, trata-se de zelar pelo essencial: a imago Dei no ser humano. Violência não, pois só o Amor de Jesus nos basta.

Publicado
Dec 28, 2020
Como Citar
NAVARRO, Tarlei. “Ouve, meu povo, deixa-me falar” (Sl 50,7). Pesquisas em Teologia, [S.l.], v. 3, n. 6, p. 351-372, dec. 2020. ISSN 2595-9409. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/pesquisasemteologia/article/view/1425>. Acesso em: 23 jan. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.46859/10.46859/PUCRio.Acad.PqTeo.2595-9409.2020v3n6p351.