Solidão na Comunhão

as lições da Vida Monástica em tempos de isolamento

  • Cristiano Holtz Peixoto

Resumo

A pandemia da COVID-19 mudou radicalmente os modos de relacionamento de todas as pessoas. Embora se percebessem traços de individualismo no comportamento humano, há pouco tempo era impensável que fosse possível, ou mesmo necessário, o mundo inteiro se isolar para evitar a rápida disseminação do coronavírus. Este artigo visa mostrar como a Vida Monástica, que tem como uma de suas características o afastamento da sociedade, tem a contribuir para a reflexão teológica do momento atual a partir de conceitos-chave praticados e refletidos há muitos séculos, a saber, a solidão e a comunhão. Longe de se distanciar de forma alienada do mundo, os monges e monjas vivem uma profunda comunhão com a humanidade, e a sabedoria multissecular vivida nos claustros pode ajudar a iluminar o presente contexto. Refletindo sobre textos antigos e novos, é possível oferecer uma ajuda concreta àqueles que vivem atualmente, de forma compulsória, um modo de vida que monges e monjas abraçaram como resposta ao chamado de Deus neste modo de vida específico.

Publicado
Aug 31, 2021
Como Citar
PEIXOTO, Cristiano Holtz. Solidão na Comunhão. Pesquisas em Teologia, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 26-44, aug. 2021. ISSN 2595-9409. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/pesquisasemteologia/article/view/1506>. Acesso em: 18 jan. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.46859/PUCRio.Acad.PqTeo.2595-9409.2021v4n7p26.
Seção
Artigos do dossiê