ERGONOMIA DO VESTUÁRIO PARA IDOSAS DE 60 A 75 ANOS

  • Claudia Vianna LEUI | Laboratório de Ergodesign e Usabilidade de Interfaces, PUC-Rio | Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil
  • Manuela Quaresma LEUI | Laboratório de Ergodesign e Usabilidade de Interfaces, PUC-Rio | Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil

Resumo




Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2000 a população idosa com mais de 60 anos era de 14,5 milhões de pessoas, um aumento de 35,5% ante os 10,7 milhões em 1991. As revisões feitas pelo IBGE em 2013 mostram que o Brasil se tornara um país idoso em 2029, e em 2018 o número de jovens já caiu em relação ao número de idosos, 63 idosos para cada 100 jovens. Apesar de todas estas estatísticas e programas para inclusão do idoso, nem todos os aspectos característicos do envelhecimento são considerados no desenvolvimento de produtos de moda, por exemplo. Em se tratando da mulher idosa e sua relação com vestuário, ainda existe uma grande lacuna na oferta mais adequada de roupas para esse público. Este artigo tem como objetivo constatar que apesar de ser considerado idoso, os indivíduos acima de sessenta anos, ainda são ativos, saudáveis e estão inseridos no mercado de trabalho. Foram conduzidos grupos de foco com mulheres entre 60 e 75 anos, a fim de levantar as suas opiniões a respeito da oferta atual de produtos de moda. Notou-se que, mesmo dentro desta faixa etária existe diferença entre corpos, mercado e desejos.




Publicado
Dec 31, 2019
Como Citar
VIANNA, Claudia; QUARESMA, Manuela. ERGONOMIA DO VESTUÁRIO PARA IDOSAS DE 60 A 75 ANOS. Revista ErgodesignHCI, [S.l.], v. 7, n. Especial, p. 1-13, dec. 2019. ISSN 2317-8876. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/revistaergodesign-hci/article/view/1301>. Acesso em: 27 sep. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.22570/ergodesignhci.v7iEspecial.1301.