Medellín reescreve seus bairros

Urbanismo Social 2004-2011

  • Alejandro Echeverri, Dr. URBAM, Universidade EAFIT, Medellín, Colômbia

Resumo

Durante os últimos quinze anos Medellín passou por um processo de transformação urbana e social que despertou o interesse em todo o mundo. Deixou de ser um lugar “invisível”, depois de ser considerada uma das cidades mais violentas do planeta, para se transformar em um ponto de referência ou de encontro para os processos de inclusão e inovação. Mas a análise da experiência de Medellín, que poderia ser útil para outras cidades com condições similares, deve ser feita com prudência, com a consciência de que é um processo que está apenas começando, em um contexto social ainda de grande desigualdade e em um território com imensas ameaças ambientais. Este trabalho apresenta algumas das estratégias e ações adotadas nesse processo de reforma urbana e social.


Palavras-chave: Medellín; urbanismo social; inclusão.


 


 


Medellín, during the last fifteen years, underwent a process of urban and social transformation that aroused interest all over the world. It ceased to be an "invisible" place, after being considered one of the most violent cities of the planet, to become a reference or meeting point for the processes of inclusion and innovation. But the analysis of the Medellín's experience that could be useful for other cities with similar conditions, must be done with caution, having the awareness that it is a process that is just beginning, in a social context still of great inequality and in a territory with huge environmental threats. This paper presents some of the strategies and undertaken actions in this process of urban and social reform.


Keywords: Medellín; social urbanism; inclusion.

Publicado
Jul 10, 2017
Como Citar
ECHEVERRI, Alejandro. Medellín reescreve seus bairros. Revista Prumo, [S.l.], v. 2, n. 3, july 2017. ISSN 2446-7340. Disponível em: <http://periodicos.puc-rio.br/index.php/revistaprumo/article/view/324>. Acesso em: 26 sep. 2017. doi: http://dx.doi.org/10.24168/revistaprumo.v2i3.324.