PREFERÊNCIA PERCEBIDA EM ÁREAS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS

  • Thatianne Elisa Ferreira da Silva Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
  • Lourival Costa Filho, D.Sc. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
  • Vilma Villarouco, D.Sc. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil

Resumo

Com o aumento do número de idosos em todo o mundo, reforçou-se a demanda de adaptação dos ambientes construídos às necessidades específicas que acompanham o envelhecimento. Nesta pesquisa, volta-se a atenção para a percepção das áreas de convivência para idosos, onde acontecem atividades de socialização e lazer, fundamentais para a vida em sociedade de forma digna. Nessa direção, este artigo teve como objetivo avaliar a preferência percebida em áreas de convivência para idosos. A partir de uma abordagem metodológica, que adotou a Teoria das Facetas no desenho da investigação empírica, fez-se uso de um formulário online com 12 (doze) fotografias, que representam a mapeamento sistemático de três variáveis – complexidade, naturalidade, abertura – tomadas para estudo. O principal resultado obtido na avaliação empírica, realizada com 10 indivíduos recifenses acima de 60 anos, corroborou com as sugestões teóricas, ou seja, a preferência percebida em cenas de áreas de convivência para idosos com complexidade moderada, naturalidade presente e aberturas desobstruídas.

Publicado
Dec 30, 2022
Como Citar
SILVA, Thatianne Elisa Ferreira da; COSTA FILHO, Lourival; VILLAROUCO, Vilma. PREFERÊNCIA PERCEBIDA EM ÁREAS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS. Ergodesign &amp; HCI, [S.l.], v. 10, n. 2, p. 46-57, dec. 2022. ISSN 2317-8876. Disponível em: <https://periodicos.puc-rio.br/index.php/revistaergodesign-hci/article/view/1766>. Acesso em: 14 apr. 2024. doi: http://dx.doi.org/10.22570/ergodesignhci.v10i2.1766.